Clínica Dr. Lucas Moura

Especialista em Endocrinologia pela Universidade de São Paulo | CRM 125.324
CLÍNICA MÉDICA RQE 36686 | ENDOCRINOLOGIA & METABOLOGIA RQE 36687
Tireoide - Hipotiroidismo
Faça o teste do seu
IMC e saiba sua
real situação
SUA SITUAÇÃO

Abaixo de 17 | Muito abaixo do peso
Entre 17 e 18,49 | Abaixo do peso
Entre 18,5 e 24,99 | Peso normal
Entre 25 e 29,99 | Acima do peso
Entre 30 e 34,99 | Obesidade I
Entre 35 e 39,99 | Obesidade II (severa)
Acima de 40 | Obesidade III (mórbida)

Não existe ainda uma comprovação científica exata que demonstre uma causa genética isolada para o hipotiroidismo

Hipotiroidismo

1) O que é?

2) Quais os sintomas?

3) A doença é genética?

4) O tratamento é por toda a vida?

5) Qual a diferença do hipotireoidismo para o hipertireoidismo?

6) Se não for tratada, quais os males que este doença pode trazer para o organismo?


Respostas

1) Hipotiroidismo, ao contrario do hipertiroidismo, é a condição na qual os valores de hormônios tireoideanos estão baixos, levando a uma diminuição generalizada do metabolismo celular. A principal causa de hipotiroidismo é a Doença de Hashimoto ou tireoidite crônico auto-imune, causada pela agressão de anticorpos contra a própria glândula tireóide, levando a médio e longo prazos à destruição da mesma, e consequentemente a uma redução na produção do hormônio. 

Outras causas menos frequentes de hipotiroidismo são: congênito, onde a criança nasce com a deficiência hormonal e esta é detectada entre os exames feitos no  “teste do pezinho”,  múltiplos episódios de tiroidites inflamatórias que em fases iniciais levaram a um hipertiroidismo, mas que pela agressão causada poderia levar à destruição da tireóide e consequentemente redução na produção hormonal; o próprio tratamento com iodo radioativo que destrói a glândula com o objetivo de diminuir o hipertiroidismo nos casos de Doença de Graves; as cirurgias da tireóide, que são feitas para o tratamento dos cânceres e nódulos, sendo retirada toda a glândula ou grande parte dela, levando ao deficit na produção hormonal consequentemente; e por último, as medicações, que da mesma forma como levam ao hipertiroidismo podem também levar ao hipotiroidismo, e são basicamente as mesmas classificadas acima.

2) Os sintomas muitas vezes podem passar despercebidos nos casos mais leves, mas quando a doença evolui e a produção hormonal diminui excessivamente, os principais sintomas são: depressão, sonolência excessiva, fadiga, sensibilidade ao frio, fragilidade capilar e das unhas, ressecamento da pele, edema nos membros inferiores, ganho de peso e dificuldade para emagrecer, alterações menstruais e da fertilidade, constipação intestinal, assim como alterações do colesterol e da pressão arterial.

Na criança, quando não tratado adequadamente e precocemente, pode levar a um déficit grave no crescimento e desenvolvimento.

3) Não existe ainda uma comprovação científica exata que demonstre uma causa genética isolada para o hipotiroidismo autoimmune, mas sabe-se que há uma prevalência nitidamente maior no sexo feminino, e que mulheres com mãe e avós acometidas tem maior chance de apresentar a doença ao longo da vida.

4) O tratamento consiste basicamente na reposição hormonal, medicação que é idêntica ao hormônio tireoideano produzido em nossa glândula, e facilmente encontrada no mercado. Geralmente a reposição sera feita por toda vida, exceção ocorre nos casos de hipotiroidismo causado por medicações, em que a suspensão das mesmas pode às vezes reverter o quadro de hipotiroidismo.

5) A diferença entre estas duas entidades é basicamente o excesso ou falta do hormônio tireoideano.

6) Se não tratado, o hipotiroidismo pode levar a complicacões cardíacas, alterações do colesterol, depressão grave, deficit cognitivo e até mesmo o coma, chamado coma mixedematoso, condição extrema do déficit hormonal. 


Agende uma consulta